segunda-feira, 14 de abril de 2014

The Perks of Being a Wallflower - Stephen Chbosky

Eu ainda não comentei por aqui, mas eu estou empenhada em conseguir aprender inglês. Digamos que foi um dos meus planos para 2014 e eu estou tentando manter a disciplina. Por isso resolvi ler um livro em inglês, não sei porque demorei tanto em unir o útil ao agradável: a leitura que eu adoro, com o bônus de estar aprendendo vocabulário e me familiarizando com outra língua.
The Perks of Being a Wallflower apareceu para mim meio sem querer, eu estava a poucos dias de entrar de férias, na Livraria Saraiva procurando The Fault in Our Stars, mas eu não achava de jeito nenhum na seção de outras línguas, daí eu fui dá uma olhada na seção de infanto-juvenil e eis que vejo o título de um livro em inglês, eu fiquei surpresa porque não esperava que fosse encontrar nada em inglês por ali daí quando eu perguntei ao atendente e descobri que The Fault in Our Stars não tinha na loja, nem pensei duas vezes em levar The Perks of Being a Wallflower, foi o destino. kkkkkkkk

Comecei meio devagar, grifando as palavras e expressões que eu não sabia o significado para procurar depois e aos poucos a leitura foi engrenando. Quando eu vi, já estava empolgada com a história do Charlie, torcendo por ele, me emocionando com a história e vendo o quão fofo ele é.
Eu já havia assistido ao filme, mas isso não diminuiu o meu interesse, pois apesar de ter achado que o filme captou bem a essência do livro e os atores também foram muito felizes em seus papeis, o livro é livro né gente?! kkkkkk Fora que algumas partes não estavam no filme, como a maioria das cenas da família do Charlie. Foi muito legal participar das reuniões da família dele e conhecer um pouco mais da cultura americana.

Para quem ainda não conhece, a sinopse do livro é a seguinte:
Ao mesmo tempo engraçado e atordoante, As vantagens de ser invisível reúne as cartas de Charlie, um adolescente de quem pouco se sabe - a não ser pelo que ele conta nessas correspondências -, que vive entre a apatia e o entusiasmo, tateando territórios inexplorados, encurralado entre o desejo de viver a própria vida e ao mesmo tempo fugir dela.
As dificuldades do ambiente escolar, muitas vezes ameaçador, as descobertas dos primeiros encontros amorosos, os dramas familiares, as festas alucinantes e a eterna vontade de se sentir “infinito” ao lado dos amigos são temas que enchem de alegria e angústia a cabeça do protagonista em fase de amadurecimento. Stephen Chbosky capta com emoção esse vaivém dos sentidos e dos sentimentos e constrói uma narrativa vigorosa costurada pelas cartas de Charlie endereçadas a um amigo que não se sabe se real ou imaginário.
Íntimas, hilariantes, às vezes devastadoras, as cartas mostram um jovem em confronto com a sua própria história presente e futura, ora como um personagem invisível à espreita por trás das cortinas, ora como o protagonista que tem que assumir seu papel no palco da vida. Um jovem que não se sabe quem é ou onde mora. Mas que poderia ser qualquer um, em qualquer lugar do mundo.

The Perks of Being a Wallflower também foi o primeiro livro que eu pratiquei meu desapego e comecei a grifá-lo. Eu precisava fazer isso porque não ia ficar abrindo o dicionário toda vez que surgisse uma palavra que eu não conhecesse e nem tinha como eu marcar com o marca-página ou coisa do tipo, daí respirei fundo, peguei meu lápis (ainda não me desapeguei o suficiente para usar marca-texto) e comecei a grifar. É bom viu? Gostei da sensação hahahahah Aproveitei para marcar trechos que eu achei bonitos, olha só:

"Charlie, we accept the love we think we deserve."

"I just think it's bad when a boy looks at a girl and thinks that the way he sees the girl is better than the girl actually is."

"It's like when you are excited about a girl and you see a couple holding hands, and you feel so happy for them. And other times you see the same couple, and they make you so mad. And all you want is to always feel happy for them because you know that if you do, then it means that you're happy, too."

Adorei o livro, a leitura flui e o fato de ser contada por um adolescente e ser um livro atual ajuda no fato de estar aprendendo inglês. O filme, como eu já havia falado, também é muito bom e captou bem a essência do livro. Recomendado!